Como Veneza tinha sido a porta de entrada da Europa para o Oriente desde tempos imemoriais e também estava em intercâmbio intensivo com o Império Otomano, o café foi conhecido aqui muito cedo. Já era vendido na cidade na década de 1630, embora inicialmente apenas como remédio em farmácias.

 

Mas já no final do século XVII foram construídos os primeiros cafés na Praça de São Marcos, entre eles um dos mais antigos e famosos cafés da Europa, o “Caffè Florian”.

O proprietário do café foi Floriano Francesconi, que primeiro o chamou de “Alla Venezia Trionfante”. Muito em breve, porém, o nome do café foi mudado para o primeiro nome de seu dono.

 

Graças à sua localização favorável, logo se tornou um ponto de encontro popular para os venezianos, oferecendo não só café, mas também comida e bebidas alcoólicas.

Após a venda do café em 1858, os novos proprietários redesenharam completamente as instalações. A “Sala dos Senadores” foi decorada com murais alegóricos que representavam “ciência e progresso”, foram criados um salão “grego” e um salão “persa”, uma sala chinesa e uma sala oriental e uma “Sala degli Uomini illustri”.

 

Entre os visitantes que, ao longo dos anos, tomaram café no Florian foram personalidades tão famosas como Goethe, Lord Byron, Honoré de Balzac, Giacomo Casanova, Marcel Proust, Richard Wagner e Thomas Mann.