Na Bretanha, ou seja no noroeste de França, existem estes maravilhosos, lendários e normalmente muito pitorescos recintos parroissiaux. Tais paróquias fechadas separam-se deliberadamente do mundo exterior.

 

A maioria deles estão localizados (aproximadamente falando) perto da costa norte, entre Brest e Morlaix.

Muitas vezes este conjunto de edifícios é constituído pela própria igreja, a porta triunfal, o ossuário e a calvaire. Esta palavra só pode ser traduzida inadequadamente com Calvário, pois entendemos algo diferente por isto na língua alemã.

 

Ao lado da igreja, a Calvaire é o centro do distrito. Sobre ou em cenas da vida de Jesus são representados esculpidamente. A crucificação é quase sempre retratada no topo.

Existem calvaires muito diferentes. Alguns são monumentais, outros são pequenos, simples e silenciosos. Alguns são de alta qualidade artística, outros de estilo rústico, simples, por vezes ingénuo, mas sempre muito comovente.

Estas calvaires, juntamente com os menires de Carnac, tornaram-se a marca distintiva da Bretanha. Charles Le Goffic (1863 – 1932) escreveu muito apropriadamente: “Um idealismo poderoso permeia estes frisos bárbaros. (…) A alma bretã estremece neles e pode ser capturada aqui numa das suas manifestações mais pungentes”.

 

(A.W.)