Select Page

Galerias Royales Saint-Hubert

Galerias Royales Saint-Hubert

No início do século XIX, o arquitecto holandês Jean-Pierre Cluysenaar teve a ideia de modernizar parte do centro da cidade de Bruxelas, construído de forma estreita e pouco iluminado. Com um novo edifício, ele não só queria dar à cidade uma aparência contemporânea, mas também atrair membros da sociedade superior e da nobreza para esta parte da cidade.

 

Em 1836, juntamente com o banqueiro Jean-André Demot, fundou a “Société des Galeries Saint-Hubert”.

Foram necessários nove longos anos para comprar todo o terreno e começar a construir. A galeria foi concluída em um ano e foi aberta pelo rei Leopoldo I em 20 de junho de 1847.

 

Construída ao estilo florentino renascentista, a galeria comercial tem 213 metros de comprimento e consiste num corredor com dois andares superiores protegidos do tempo por um telhado de vidro. Isto tornou possível sentar-se num café de rua em qualquer altura, mesmo no clima rigoroso de Bruxelas.

A galeria é composta por três partes: a “Galerie de la Reine” (Galeria da Rainha), a “Galerie du Roi” (Galeria do Rei) e a “Galerie du Prince” (Galeria do Príncipe).

 

Desde o início, a Passagem atraiu numerosas lojas de luxo que deram a Bruxelas o dom de uma metrópole europeia.

Hoje, juntamente com a famosa Passagem de São Petersburgo e a Galeria Vittorio Emanuele II de Milão, é considerada um modelo para todas as arcadas e centros comerciais posteriores.

 

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Blogverzeichnisse

Blogheim.at Logo