Select Page

No belo Danúbio azul

No belo Danúbio azul

A Valsa do Danúbio é provavelmente uma das obras mais famosas da literatura orquestral. Uma das razões para isso é que ela é transmitida a cada ano novo na rádio austríaca e também é parte integrante e destaque do Concerto de Ano Novo da Filarmônica de Viena.

 

Foi composto pelo filho de Johann Strauss no Inverno de 1866/67, originalmente em duas versões, uma para coro masculino e outra para orquestra.

Após a estreia do Wiener Männergesang-Verein, Strauss apressou-se a acrescentar uma introdução e uma coda à obra e completou a versão orquestral. Esta foi então apresentada em 10 de Março de 1867, no Palácio Imperial, na Volksgarten de Viena.

No entanto, o trabalho não recebeu muita atenção, e Johann Strauss é dito ter dito ao seu irmão Josef após a primeira apresentação: “O diabo pode ir buscar a valsa, só lamento a coda – eu teria desejado um sucesso para ela.”

 

No mesmo ano, porém, J. Strauss teve sucesso na Exposição Mundial de Paris, onde também tocou essa valsa, que foi imediatamente um sucesso retumbante sob o nome de “Le beau Danube bleu”.

Só as edições editoriais da valsa, especialmente a versão para piano para quatro mãos, venderam quase um milhão de cópias em pouco tempo.

 

E até hoje essa valsa, que o crítico musical Eduard Hanslick já havia descrito como uma “paz sem palavras Marselhesa” em 1874, continua a gozar de popularidade ininterrupta entre jovens e idosos.

 

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

App Cultura

Também dê uma olhada no meu aplicativo de cultura!

Novos artigos diários sobre a história da Europa, literatura, música clássica, artes plásticas e muito mais.

Blogverzeichnisse

Blogheim.at Logo