Paris, meados do século XIX.

 

É Natal, aqui também, no bairro latino, onde quatro estudantes carentes levam uma vida magra, mas despreocupada.

São o escritor Rodolfo, o pintor Marcello, o músico Schaunard e o filósofo Colline. Juntos, congelam e passam fome numa vida em que uma refeição quente, um quarto aquecido e dinheiro para alugar são considerados luxo.

 

Para celebrar a véspera de Natal, decidem ir ao Café Momus. Todos saem, exceto Rodolfo, que tem que terminar um artigo.

Quando batem à porta, é a vizinha Mimi, uma jovem costureira, que pede fogo para sua vela.

 

É aqui que começa uma das árias mais famosas da história da ópera.

 

YouTube

Mit dem Laden des Videos akzeptieren Sie die Datenschutzerklärung von YouTube.
Mehr erfahren

Video laden

 

Quando Mimi entra no apartamento de Rodolfo, ela sofre um ataque de fraqueza e perde a chave. Rodolfo não quer que ela encontre a chave muito rápido, coloca-a em seu bolso e apaga sua vela.

Durante a busca, suas mãos se tocam e ambos começam a contar suas vidas. Primeiro Rodolfo na ária “Che gelida manina”, depois Mimi na ária “Mi chiamano Mimi” e finalmente, num momento de união no amor, ambos começam o dueto “O soave fanciulla”.

 

No final, os dois amantes seguem seus amigos até o Café Momus.